Nossos
Projetos

Os nossos Projetos são ambiciosos, e sem descolar da âncora e das fundações que nos conferem estabilidade e forte identificação com a realidade, estamos dispostos a lutar pela valorização da nossa profissão e pela ocupação do lugar que nos é de direito, que nos pertence.

Afinal somos uma parte fundamental da inteligência deste país e não podemos continuar permitindo que outros, principalmente aqueles que sequer  têm formação técnica, continuem decidindo os nossos destinos, o destino do nosso país, sem nos ouvir.

Nosso Compromisso com a
Engenharia Elétrica
e com a Nossa Classe

 

Nos mantermos atentos e trabalhar pela constante atualização da capacidade técnica dos nossos profissionais.

A engenharia elétrica que responde pela necessidade imperiosa de produzir a energia elétrica indispensável ao crescimento do Brasil, enquanto nação, é a inteligência capaz de produzir essa energia, a partir de diferentes formas disponíveis na natureza, e de levá-la aos locais onde ela é exigida, para produzir trabalho em prol da sociedade. Cumprir essa missão com a maior qualidade tecnicamente possível e pelo menor custo é o que se espera da nossa classe.

Os Engs Eletricistas
e os Nossos Associados

 

Como já revelamos, os engenheiros eletricistas que habitam o DF se distribuem entre 15 titularidades diferentes, sem contar os tecnólogos, que também se alinham dentre alguns desses títulos. Assim, também é o perfil do nosso quadro de associados. Dentre os projetos que destacamos como prioritários, para compor o programa da nossa gestão, frente a ABEE-DF, no triênio 2017/2019, tem-se como o mais importante: a ampliação e agregação do nosso quadro de associados.

Quando assumimos a presidência da ABEE, em junho do ano passado, tínhamos 756 associados. Trabalhamos duramente para elevar esse número para 932 associados que foi o fechamento de 2016, e temos aspirações de poder fechar 2017 da faixa de 1200 associados. Mas é fundamental que se compreenda que isso constitui o primeiro e mais importante passo para nos fortalecermos como “entidade de classe”. Esse número expressa a nossa representatividade dentro do Sistema Confea/Crea, no DF. Na medida em que crescemos e nos fortalecemos, a nossa importância vai se tornando maior no contexto da sócio-economia e da política no DF, podendo, por esse caminho, vir a impactar o planejamento e as prioridades da engenharia no Brasil. O Conselho do CREA, formado por 40 membros, engenheiros das diversas modalidades atuantes no DF, são indicados pelas entidades de classe que aqui congregam esses profissionais, como: a ABEE, a ABENC, a ABEMEC, a ABEAGRO, o SINDUSCOM, o SENGE, o CENB e outras.

Nossa Atuação
como Entidade de Classe

 

Conforme acima descrito, a nossa atuação junto ao Sistema Confea/Creas se destaca como a primeira e a mais importante das nossas atividades.

O nosso compromisso com o nosso país, com a comunidade que nos acolhe, com o desenvolvimento sócio-econômico, com a boa técnica, com o crescimento;

As questões assistenciais;

As questões de aprimoramento técnico científico;